Abrir popup
Poesias, Varginha-Terra do ET, BRICS, Dicas, Frases e Reflexões...

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Mande a Sua! - Questionamentos 2

LEU? GOSTOU? COMPARTILHE!
Nesta série Questionamentos estou postando e-mails recebidos com assuntos interessantes. Este veio da Malu (maluccat@bol.com.br).
Ela curtiu este texto que lhe fora enviado pela amiga Rafaela Guimarães. E resolveu compartilhar conosco. É um desses e-mails que circulam na Net. Mas vejam o conteúdo!
Malu, minha Branca, obrigado pela colaboração...
Aqui a sua postagem!

(Expedito, repasso como recebi da amiga Manuela Guimarães.  MERECE SER LIDO E ANALISADO! - Malu)

Politicamente Correto, quanta bobagem!...
ou
O CRAVO NÃO BRIGOU COM A ROSA
    Chegamos ao limite da insanidade da onda do politicamente correto!  Soube dia desses que as crianças, nas creches e escolas, não cantam mais 'O cravo brigou com a rosa'. A explicação da professora do filho de um camarada foi comovente: a briga entre o cravo - o homem - e a rosa - a mulher - estimula a violência entre os casais. Na nova letra "o cravo encontrou a rosa/ debaixo de uma sacada/o cravo ficou feliz /e a rosa ficou encantada".

    Que diabos é isso? O próximo passo é enquadrar o cravo na Lei Maria da Penha!  Será que esses doidos sabem que 'O cravo brigou com a rosa' faz parte de uma suíte de 16 peças que Villa Lobos criou a partir de temas recolhidos no folclore brasileiro?
    ...é Villa Lobos, cacete!

    Outra música infantil que mudou de letra foi 'Samba Lelê'. Na versão da minha infância o negócio era o seguinte: Samba Lelê tá doente/ Tá com a cabeça quebrada/ Samba Lelê precisava/ É de umas boas palmadas. A palmada na bunda está proibida. Incita a violência contra a menina Lelê. A tia do maternal agora ensina assim: Samba Lelê tá doente/ Com uma febre malvada/  Assim que a febre passar/ A Lelê vai estudar.

    Se eu fosse a Lelê, com uma versão dessas, torcia pra febre não passar nunca! Os amigos sabem de quem é  Samba Lelê? Villa Lobos de novo! Podiam até registrar a parceria. Ficaria assim: Samba Lelê, de Heitor Villa Lobos e Tia Nilda do Jardim Escola Criança Feliz...
 Comunico também que não se pode mais 'atirar o pau no gato', já que a música desperta nas crianças o desejo de maltratar os bichinhos! Quem entra na roda dança, nos dias atuais, não pode mais ter 'sete namorados' para se casar com um. Sete namorados é coisa de menina fácil. Ninguém mais é pobre ou rico de 'marré-de-si', para não despertar na garotada o sentido da desigualdade social entre os homens.
   Dia desses alguém (não me lembro exatamente quem se saiu com essa e não procurei a referência no meu babalorixá virtual, Pai Google da Aruanda) foi espinafrado porque disse que ecologia era, nos anos setenta, coisa de viado...
Qual é o problema da frase? Ecologia, de fato,  era vista como coisa de viado. Eu imagino se meu tataravô, com a alma de cangaceiro que possuía, soubesse, em mil novecentos e setenta e poucos, que algum filho estava 'militando na causa da preservação do mico leão dourado, em defesa das bromélias' ou coisa que o valha. Bicha louca!- diria o velho...

    Daqui a pouco só chamaremos o anão - o popular 'pintor de roda-pé' ou 'leão de chácara de baile infantil' - de deficiente vertical . O crioulo - vulgo 'picolé de asfalto' ou 'bola sete' (depende do peso) - só pode ser chamado de afrodescendente. O branquelo - o famoso 'branco azedo' ou 'Omo total' - é um cidadão caucasiano desprovido de pigmentação mais evidente. A mulher feia - aquela que 'nasceu pelo avesso', a 'soldado do quinto batalhão de artilharia pesada', também conhecida como o 'rascunho do mapa do inferno' - é apenas a dona de um padrão divergente dos preceitos estéticos da contemporaneidade. O gordo - outrora conhecido como 'rolha de poço', 'chupeta do Vesúvio', 'Orca, baleia assassina' e 'bujão' - é o cidadão que está fora do peso ideal. O magricela não pode ser chamado de 'morto de fome', 'pau de virar tripa' e 'Olívia Palito'. O careca não é mais o 'aeroporto de mosquito', 'tobogã de piolho' e nem 'pouca telha'...

    Nas aulas sobre o barroco mineiro, não poderei mais citar o Aleijadinho. Direi o seguinte: o escultor Antônio Francisco Lisboa tinha necessidades especiais... Não dá! O politicamente correto também gera a morte do apelido, essa tradição fabulosa do Brasil!

    Falei em velho Bach e me lembrei de outra. A velhice não existe mais. O sujeito cheio de pelancas, doente, acabado, o famoso 'pé na cova',  aquele que 'dobrou o Cabo da Boa Esperança', o 'cliente do seguro funeral', o popular 'tá mais pra lá do que pra cá',  já tem motivos para sorrir na beira da sepultura. A velhice agora é simplesmente a "melhor idade".

    Se Deus quiser morreremos, todos, gozando da mais perfeita saúde. Defuntos? Não. Seremos os 'inquilinos do condomínio Cidade do Pé Junto'...
PS: Recebido da Malu depois da postagem feita
"Expedito, recebi o texto e te enviei para que postasse aí. Não havia referência à fonte do mesmo. Mas depois, pesquisando no Google, encontrei o autor. É Luiz Antonio Simas, que é professor de história e tem este blog: http://hisbrasileiras.blogspot.com.  Acrescente por favor...         
Popular a partir de 06/02/2011
Se gostou do texto, opine, compartilhe!(imagens: revistadeciframe.com; topicos.estadao.com.br)                                                            

8 comentários:

Malu disse...

Não gosto de polemizar porque cada qual tem suas verdades, suas crenças.
Apesar de estar afastada do meio educacional há quase três anos, ainda sou uma educadora e nunca deixarei de ser.
Depois de ler este texto que percorre a internet digo que o que falta aos nossos professores é uma formação mais sólida, mais técnica e mais além, formação cultural, isso mesmo, CULTURA no sentido de toda ARTE (Literatura, Música, Dança, Cênica, Plástica...)
Por conta destes não saberes técnicos e culturais é que acabam por engolirem as mais estapafúrdias APOLOGIAS, sem questioná-las, sem saber realmente o que é politicamente correto, sem se pronunciarem.
Calam-se... consentem!
Baixam suas cabeças...
Deformam os costumes culturais.
Ajudam a esquecer-se das orígens...
O ato de EDUCAR passa a ser a DESEDUCAÇÃO - desculpa o neologismo.

Suas postagens sempre relevantes,amor.
Eu curto você!
Beijinhos

Gessy Miloch disse...

Caro professor
Mais um belo texto e quero dizer que sinto saudades do tempo em que ouvia essas cantigas e a educação cumpria o seu real papel: o de passar conhecimento e formar cidadãos aptos para desenvolver seu importante papel na sociedade. Agora vem o educador moderno mudar a letra da cantiga que tanto nos encantou, como se mudando a letra, todo o problema na área da educação fosse resolvido. Será que não tem coisa mais importante para se preocupar?
Um grande abraço
Gessy

Sônia Silvino disse...

Texto excelente! E aplausos para o comentário da Malu, minha dinda!
Beijos aos dois!

Marcos Antonio disse...

Ainda bem que não descobriram a música do boi da cara preta, penso que iam acabar fazendo churrasquinho do pobre animal.

Abraços

Lauro Daniel disse...

Olá,

Parabéns por seu Blog!

Gostaria de convida-lo a conhecer o T3, um excelente lugar para divulgar seu Blog, pois no T3 Todos os links são Folow melhorando suas posições nas pesquisas e existem pessoas realmente interessadas no seu conteúdo.
Venha Conferir o melhor da Internet todos os dias e divulgar seu Blog no T3.

www.t3.tol3.net

Grande Abraço e Muito Sucesso!
T3

Professora Ismaelita disse...

ola professor,excelente artigo verdade algumas cantigas de rodas estão sendo questionadas porque estimulam a violencia ..faltou citar ''Atirei o pau no gato que também mudaram a letra''.A músicas tipicas de festas juninas se for seguir a regra como ''Cai cai Balão e algumas canções de quadrilhas não se pode mais usá
las na escolas porque
tem o tal ''direitos autorais"olha assim esta difícil ensinar .Isto pode aquilo não pode?
E assim caminha a educação, a paz

1k2 disse...

Caros,

Nem o Tintin e o Sítio do Pica-Pau Amarelo escaparam do cerco politicamente correto.

Taddeu Vargas disse...

Olá Profex, adorei o blog e os textos, inclusive os poemas, muito bons. Parabéns pelo trabalho. O teu espaço está fazendo o que os blogs devem fazer: está comunicando!
Abraço forte.

Formulário de Contato - Expresse sua opinião. Retornarei!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja as Postagens Populares do blog

Aguardo você por lá!...

Informação Importante

Este blog - O Blog de Poesias do Profex - anexa ou linka textos da internet preocupando-se em dar o devido crédito a eles e sua origem. As imagens, na sua maioria são do banco de dados do Google, conforme indico junto às postagens. Quem se sentir lesado por uma exibição indevida, por favor entre em contato para que eu possa atribuir os respectivos créditos; ou ainda, se for o caso, retirar das páginas a postagem ou imagem em questão.

Espero portanto que se um leitor tiver a pretensão de usar uma matéria (ou parte dela), um poema (ou um excerto dele), faça da mesma forma, dando o devido crédito junto à elas, sob pena de se fazer valer a Lei de Direitos Autorais.


E-mail: professorexpedito.radialista@hotmail.com
Some images used on the BLOG DO PROFEX are taken from the web via Google Images, if by chance you find any here who is registered and of his own, let me know that I will be happy to credit! Thank you!

.verificar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...