Abrir popup
Poesias, Varginha-Terra do ET, BRICS, Dicas, Frases e Reflexões...

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Meus Poemas - Dimensões (Zen surfismo)

Sítios abertos no espaço da mente
trazem visões de lugares visitados.
Permaneço completamente parado
bem ali na soleira da porta:
são flashes rápidos, recordações...


Sinto de repente uma vertigem.
Meio desorientado, observo:
desconheço a origem, ou a rota,
círculos mágicos me protegem,
luzes que faíscam, imperceptiveis...


Mergulho em mim, nos caminhos
interiores, em circunrevoluções,
redemoinhos de forças desconhecidas,
rajadas de cores, energias estranhas
emergem, e, juntas, se entrelaçam
em circunrevoluções, redemoinhos..


Uma brisa ligeira passou por aqui. 
Algo então, lá de dentro de mim,
assume o comando e me acalmo.
Observo manso toda aquela cena
tranquilo, sem buscar respostas.


Também não tenho perguntas...
Entrego-me à magia do acaso
percebo que ali, à minha frente,
existe uma brecha, uma passagem
quem sabe uma outra sala-de-espera,
funcionando, convivendo com aquela...


Examino, pois conheço bem:
Uma tv sempre no mesmo canal,
na janela, o céu e as estrelas,
os mesmos quadros na parede:


jardins, vertentes cristalinas,
neblina, fumaça, aurora boreal,
borboletas, figuras femininas
cheias de graça, lindas e seminuas.

Brusca mudança do ambiente,
um arrepio percorre as vertebras
e a porta se abre totalmente!
Vou até a rua: voltar? Fugir?
Embora eu precise decidir,
não ouso: não quero arriscar!...


Não avanço um passo sequer.
Pelo contrário, recuo, até.
Sumiu minha certeza absoluta.
posso porém conjecturar...
...Existe ali uma outra dimensão?


Dou, então, um passo atrás,
observo de novo o salão.
Afinal, os mesmos quadros:
jardins, vertentes cristalinas,
borboletas, figuras femininas
a sorrir, lindas e seminuas.

Uma TV ligada. Tudo normal.
Uma tangencial espaço-tempo
passou desabercebida de todos
mas captei uma senha perdida,
no meu painel de possibilidades...


Um trem que um dia eu perdi,
e que agora consigo pegar...
um sorriso fugaz que não dei,
que estampo de vez no rosto.


Um sonho que queria ficar
na esteira do tempo perdido,
gosto dele e ainda o tenho urdido
e em plena materialização...


Uma mulher que se foi e não amei...
mas que recuperei a trama, a pega
e revitalizei, a tempo, a paixão...

Com alegria e esperança, a Vida segue!
Se fosse reggae eu diria simplesmente:
"Uma onda que passou e eu não dropei"
Mas, é bem mais que isso!.. é Sinfonia!
(Crédito da imagem: cruiserart.com)
Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex) - Escrito em 24-10-2010, em Varginha,  às 22:40 h
EM TEMPO:
Deixo aqui aos leitores, amigos poetas, convidados, visitantes, seguidores, colaboradores... todos, enfim que me incentivaram e permitiram a permanência desse blog no ar -já por quase 12 meses-, um Grande Abraço!
Que o Balanço Anual tenha deixado um saldo positivo para todos e de resto, ainda,  um montão de Esperanças! Que sejamos protagonistas de Grandes Aventuras no próximo Ano!
Um 2011 de Cinema para todos!

RecadosAnimados.com

domingo, 19 de dezembro de 2010

Meus Poemas - Música e Poesia (falando também de gentileza.)

A música está em todo lugar, disfarçada no ambiente,
mas soa sempre cristalina pra quem tem bom ouvido.
Existe música natalina no ar! Eu convido, venha ouvir...
seja antigo, saia por aí, vá até a praça, observe o clima,
entre, então, nesse bonde de graça e abrace seus amigos!


A poesia também se esconde nas letras embaralhadas.
Caia em distração e seja surpreendido pela beleza...
Para encontrá-la e senti-la no seu estado original,
  a gentileza e espírito de alegria nos dotam de antenas,

 de lupas de sabedoria, para torná-las audíveis e claras.


Desatrele a mente, apazigue seu coração e sorria...
Aceite, então, os meus votos de um Luminoso Natal!

(Crédito das imagens: oxfordcitysingers.com ; melhoramiga.com)
Em Tempo:
Quanta gentileza numa única semana! Será que tem a ver com o Natal?!..
Veja só, semana de alegria lá, semana de alegria aqui! Eu me refiro ao blog da minha querida Malu, o Infinito Particular que andou recebendo muitos reconhecimentos de seus amigos...
Quero agradecer a lembrança e o carinho dessa figura ímpar, amiga e companheira, que andou indicando este blog. E deixo aqui os selos indicados por ela. Deixo aqui para quem queira vir buscar e levar, com o meu carinho, para o seu blog. Faça um link direcionando para cá e distribua-o conforme lhe convier! 
 Deixo aqui, como tambem fez a Malu, duas indicações especiais:
1-O blog da Bia,    OLHAR DENTRO DOS OLHOS
A Beatriz tem um blog bem construído, galhofeira, criativa e apaixonada pelos seu companheiro. O blog dela enche os olhos, vale a pena conferir!
2- E o blog da Gigi,    MINHA VELHA INFÂNCIA
O blog é novo. A amizade é nova e vai ser duradoura, pelo visto. Ela tem feito um belo trabalho por lá.  Com matérias intrigantes, questionando o cotidiano e o comportamento moderno, com certeza, já disse a que veio! Parabéns...

Complementando:
E atenção Nathália, do P.A.R.A.F.E.R.N.A.L.I.A., no próximo post estarei trazendo o seu selo de 'comprometimento' e distribuindo devidamente conforme indicado no seu blog. Não esqueci. E agradeço.

FICA AQUI UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!  
a partir de 19/12/10 
-Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex) 

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Léo e Bia - Este eu não perco!

 Em meio a tantos lançamentos de filmes internacionais de 2010, superproduções fantasiosas e sem nenhum tempero, eu andei procurando o que o Brasil, a nação emergente que espanta o mundo em crise, tem produzido em termos de filmes.

E vi que a produção nacional não tem ficado atrás. O ano de 2010 nos trouxe Tropa de Elite 2, Chico Xavier, A Suprema Felicidade, Lula - O filho do Brasil, O Bem Amado, Sex Delícia, 400 contra 1, RAUL - O início, o meio e o fim... entre os mais vistos ou comentados.

Mas um filme em especial, lançado em Setembro, chamou minha atenção: Léo e Bia! A direção não é nada mais nada menos que de Oswaldo Montenegro. Isso mesmo! Aquele cantor que nos embalou com grandes canções desde a época dos festivais da Globo...

Com um roteiro simples, estória meio autobiográfica e uma produção de baixo custo, sem efeitos especiais, Léo e Bia com certeza traz uma visão poético-musical e o sentimento de Oswaldo Montenegro, esse criativo carioca, nascido no Grajaú. E faz um retrato sobre o período da ditadura, justamente onde floresceram tantas canções que ficaram para a história.

Dispenso os efeitos. Nada de pantomina! (ou pantomima, como querem os linguistas!). Bastam-me as canções de Oswaldo Montenegro para me levar ao cinema...

Estou esperando cruzar com este filme, por aí, nas minhas andanças. Não exitarei em convidar alguém muito especial. E encomendarei uma super pipoca!

E você vai perder essa?

Léo e Bia(1984)
Composição: Oswaldo Montenegro

No centro de um planalto vazio
Como se fosse em qualquer lugar
Como se a vida fosse um perigo
Como se houvesse faca no ar
Como se fosse urgente e preciso
Como é preciso desabafar
Qualquer maneira de amar valia
E Léo e Bia souberam amar
Como se não fosse tão longe
Brasília de Belém do Pará
Como castelos nascem dos sonhos
Pra no real, achar seu lugar
Como se faz com todo cuidado
A pipa que precisa voar
Cuidar de amor exige mestria
E Léo e Bia souberam amar

SINOPSE - Léo e Bia. Diretor: Oswaldo Montenegro. Em Brasília, grupo de jovens atores se reúnem em um galpão para ensaiar uma peça de teatro que compara Jesus Cristo com Lampião, em 1973. No auge da repressão da ditadura militar, os jovens transgressores fazem descobertas na sociedade e na vida. Gênero: Comédia, Drama, Romance, Musical. Elenco: Paloma Duarte, Françoise Forton, Fernanda Nobre, Vitória Frate, Emilio Dantas, Pedro Cartano, Ivan Mendes, Pedro Nercessian. Gênero: Comédia, Drama, Romance, Musical. Ano: 2010 Duração: 95 min. Classificação: Não recomendado para menores de 12 anos.

(créditos: sinopse e imagem: http://cinema.uol.com.br/filmes/leo-e-bia-2010.jhtm)  

Em tempo:

Disponibilizo o link e posto aqui os selos ofertados pela Karine do blog Pensamentos em Fragmentos, e desde já agradeço o carinho!

 
Quem quiser levar o mimo para seu blog pode seguir as regras definidas pela Karine:
1-Mencionar quem indicou e disponibilizar link para o blog do remetente;
2-Fazer comentário no mesmo.
3-Indicar o selo para 8 (oito) blogs.
Visitem, pois o Pensamentos em Fragmentos, o bem-humorado blog da amiga Karine e curtam também como eu tenho curtido.
Blogs indicados: 
FICA AQUI UM GRANDE ABRAÇO A TODOS!  
a partir de 18/12/10 
-Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex) 

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Meus Poemas - Mais HaiCais



Nesse ringue ninguém ganha:
falta artimanha,
quando o amor se estingue!

Quente ou frio é o que deve ser.
O morno não cozinha;
antes, faz apodrecer...

Eu sempre quis ser sincero.
Fiz então um libelo
e digo o quanto te quero!

Mergulhei no seu cordel
decifro a sua rima
que me transporta ao céu!..

 Lembrando a Data Maior:

Nasceu, no Natal, Jesus:
Luz que não há igual
e que em nós permaneceu!
(crédito das imagens: brogui.com e sol.sapo.pt
Escrito em Varginha, em 15-12-2010
Autor: Expedito Gonçalves Dias(Profex)

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Meus Poemas - Um Certo Concerto

O QUE me alegra...
é que é sempre Natal, e que este poema não é presente
é apenas uma lembrança, de alma para alma!

O QUE me alegra...
é ter coragem de dizer o que invade minh'alma,
é ter calma e retirar sabedoria dos mistérios,
é procurar de onde vêm seus desidérios.

O QUE me alegra ainda mais...
é decidir apropriar-me de alguns fatigados versos seus
e torná-los meus, não por capricho apenas,
mas por sentir que devo fazer parte deles, sem alegoria,
sem cenas ou processos obscuros e censurados,
colocando-os, em primazia, no rol dos meus 'preferidos'.

O QUE me traz alegria, então...
é saber que comungaremos do mesmo pôr-de-sol.
No descabido caos, no limite da insanidade do mundo,
bem cedo ao arrebol, perceberei seu cúmplice sorriso;
saber que tocaremos nossa boca brindando em taças,
assim sem aviso ou motivo especial, de improviso!
Arrisco-me em verso, prosa ou melodia
sem palavras interditas, entreditas,
sem medir palavras mesmo, em tom livre,
cantar seus dotes e reverenciar sua companhia
além das artimanhas, disfarces ou indébitos rodeios...
Acordaremos sonolentos, mas cheios de vida,
ouvindo as vozes da natureza a cada dia!
Voltando ao quarto, dobraremos os lençóis,
nos preparando para a lida... mas quem sabe(?),
nos quedaremos, de novo, numa segunda dose
na cama, aos fortes apelos do coração!

Nas praças, veremos as mesmas cores e flores
ouviremos os cantares e sinos do início do dia.
Os cantores da manhã, bem-ti-vís ou maritacas
farão coro nos jardins de açucenas e rosas
no meio de suas fadas, borboletas e hibiscos...
Com alegria, andaremos pelo mesmo quintal,
observando cores, tocando a mesma grama,
na claridade dos arrebóis ou no prateado da lua,
numa simbiose perfeita, amálgama verdadeira:
Saber que cada manhã, é  minha e também é tua!

Comeremos juntos ainda muitos quilos de sal...
e rezaremos com fé pedindo ao Pai Sabedoria.
Do mal extrairemos toda Alegria,  todo Bem e Beleza.
Saberemos das notícias da rede, veremos amigos,
brigaremos pelas páginas do jornal e debateremos,
juntando nossas idiossincrasias e crescendo mais!

Faremos juras às sextas-feiras, namorando a lua.
Marcaremos sempre uma melodia como nossa.
Lavaremos nossa face na água de uma só torneira,
e não há quem possa arredar-nos de cada certeza.
No aroma do café , teremos do pão a mesma fatia...

Faremos as mesmas viagens, indo ao topo do mundo,
visitaremos aquela casa tão sonhada d'além-mar,
para sentir nossas idades no pulsar dos segundos.

Pelas janelas dos trens, dos aviões, numa só direção,
no vagar das horas, crianças, invejáveis adolescentes.
No sabor da distância, olhando as luzes das cidades,
contentes, colocaremos os dedos em potes de geléias,
tão juntos, soltos, tão felizes... que não haverá marcas
nem tampouco contrapontos, evidências ou cicatrizes!

Alegra-me saber que habitaremos os mesmos vazios,
subiremos em árvores, cruzaremos as mesmas pontes!
Os caminhos das mais insanas ilusões serão banais:
beberemos juntos de fontes perenes com nossas mãos,
em fricções suaves espantaremos o frio dos nossos pés...

Construiremos castelos de areia, tão belos e necessários!
Ora frágeis, à primeira vista, mas verdadeiras fortalezas...
Sorveremos a beleza do mundo sempre brindando ao sol.
E, sentindo dele o calor, afundaremos nossa pele no mar.

Os olhos refletidos em espelhos sentirão todos os tons.
Dos mistos aos puros, grandes planos ou nuances de cor.
Ao sentir o coração em  vermelho, me verá por perto.
Saberemos assim do lilás, azul, do verde, do amarelo...
Eu quero definitivamente reservar para nós o arco-íris!
Numa mesma noite, irreverentemente tocando a lua
seremos sempre diferentes estações a todo momento.
O açoite da tempestade cessou para nunca mais voltar.

O QUE me traz alegria...
é deixar claro pra você minha linda, minha branca:
todos os dias, feriados, natal, carnaval, semana santa,
serão sagrados espaços e brechas de comemoração.
Sinta como são poucas ainda nossas oportunidades!
Para premiar o coração, criaremos momentos de paz.
Para loucura tanta: magia, alquimia e química louca...

Seremos uma só parte, um só desejo, um só querer.
Veremos a cumplicidade do roubo de uma simples flor
ou das conchas rosipérolas colhidas na beira da praia,
de oceanos conhecidos ou ainda de novos mares.

Ouviremos os mesmos sons... notas uníssonas,
pois nossos sons só criam harmônicas melodias.
Sobre nós as mesmas chuvas e luzes estelares,
de oásis e desertos, alegres ou tristes, em qualquer tempo,
buscaremos o abrigo comum visitando outras eras,
quimeras ao vento, desbravaremos todos os mares!

 O QUE me alegra...
 exulta em mim, acho extraordinário, por fim,
é saber que somos assim uma só alma,
e, com certeza! - peças do mesmo jogo.
Eu e você, semeando sonhos, indo fundo,
estaremos juntos, perto  do imaginário.
Você, batalhadora, buscadora... uma sonhadora!
Eu, artista, manobrista... um alquimista.

O QUE NOS ALEGRA, é que...
num só coração em harmônico compasso,
criaremos cenários, imaginando mundos,
querendo sempre mais!
Limpando armários, abrindo espaços...
ora tranquilos, sentados à beira do cais,
ora fazendo os necessários consertos!
 
Cantarolamos a mesma canção, bebemos hoje da mesma fonte,
observado horizonte, criando concertos e celebrando acertos...
Pisamos o mesmo chão e jogamos o mesmo jogo,
seguimos desmontando mágoas, erigindo pontes,
celebrando natais e os anos que virão...
Tu - bebendo de nossas águas;
Eu - experimentando o nosso fogo!

(crédito das imagens: akio.com.br; millionvibesmusic.blogspot.com e astrologiaeradeaquario.blogspot.com)
Escrito em Varginha a 10-12-2010 às 22h


a partir de 13/12/10 
-Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex) 

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mande a Sua! - Obesidade Mental

 LEU? GOSTOU? COMPARTILHE! 
Pra começar bem a semana eu publico o texto enviado por Raquel de Moura de Varginha-MG, por e-mail, rackidri@hotmail.com. Trata-se de um desses textos que circulam na Net. Se você gostar, comente e faça a divulgação também, já que este assunto é tão relevante!
Raquel, aqui a sua postagem! 
Pois é pessoal...
Todo mundo se preocupando em ficar magrinho...
Mas quando a obesidade é mental e moral... Aí é que fica mais complicado passar na tal "porta estreita"...
Sei não... penso que o texto abaixo vem revolucionar os nossos batidos conceitos de dieta.
Vale a pena conferir!!!
Com o carinho de sempre, 
Raquel.

A Obesidade Mental - Andrew Oitke
Por João César das Neves
O prof.  Andrew Oitke publicou o seu polémico livro «Mental Obesity», que revolucionou os campos da educação, jornalismo e relações sociais em geral.
Nessa obra, o catedrático de Antropologia em Harvard introduziu o conceito em epígrafe para descrever o que considerava o pior problema da sociedade moderna.
«Há apenas algumas décadas, a Humanidade tomou consciência dos perigos do excesso de gordura física por uma alimentação desregrada.
Está na altura de se notar que os nossos abusos no campo da informação e conhecimento estão a criar problemas tão ou mais sérios que esses.»
Segundo o autor, «a nossa sociedade está mais atafulhada de preconceitos que de proteínas, mais intoxicada de lugares-comuns que de hidratos de carbono.
As pessoas viciaram-se em estereótipos, juízos apressados, pensamentos tacanhos, condenações precipitadas.
Todos têm opinião sobre tudo, mas não conhecem nada.
Os cozinheiros desta magna "fast food" intelectual são os jornalistas e comentadores, os editores da informação e filósofos, os romancistas e realizadores de cinema.
Os telejornais e telenovelas são os hamburgers do espírito, as revistas e romances são os donuts da imaginação.»
O problema central está na família e na escola.
«Qualquer pai responsável sabe que os seus filhos ficarão doentes se comerem apenas doces e chocolate.
Não se entende, então, como é que tantos educadores aceitam que a dieta mental das crianças seja composta por desenhos animados, videojogos e telenovelas.
Com uma «alimentação intelectual» tão carregada de adrenalina, romance, violência e emoção, é normal que esses jovens nunca consigam depois uma vida saudável e equilibrada.»
Um dos capítulos mais polémicos e contundentes da obra, intitulado "Os Abutres", afirma:
«O jornalista alimenta-se hoje quase exclusivamente de cadáveres de reputações, de detritos de escândalos, de restos mortais das realizações humanas.
A imprensa deixou há muito de informar, para apenas seduzir, agredir e manipular.»
O texto descreve como os repórteres se desinteressam da realidade fervilhante, para se centrarem apenas no lado polémico e chocante.
«Só a parte morta e apodrecida da realidade é que chega aos jornais.»
Outros casos referidos criaram uma celeuma que perdura.
«O conhecimento das pessoas aumentou, mas é feito de banalidades.
Todos sabem que Kennedy foi assassinado, mas não sabem quem foi Kennedy.
Todos dizem que a Capela Sistina tem tecto, mas ninguém suspeita para que é que ela serve.
Todos acham que Saddam é mau e Mandella é bom, mas nem desconfiam porquê.
Todos conhecem que Pitágoras tem um teorema, mas ignoram o que é um cateto».
As conclusões do tratado, já clássico, são arrasadoras.
«Não admira que, no meio da prosperidade e abundância, as grandes realizações do espírito humano estejam em decadência.
A família é contestada, a tradição esquecida, a religião abandonada, a cultura banalizou-se, o folclore entrou em queda, a arte é fútil, paradoxal ou doentia.
Floresce a pornografia, o cabotinismo, a imitação, a sensaboria, o egoísmo.
Não se trata de uma decadência, uma «idade das trevas» ou o fim da civilização, como tantos apregoam.
É só uma questão de obesidade.
O homem moderno está adiposo no raciocínio, gostos e sentimentos.
O mundo não precisa de reformas, desenvolvimento, progressos.
Precisa sobretudo de dieta mental.»  
(crédito das imagens: contosdeumquotidiano.blogspot.com; cerebrodebanana.wordpress.com; onobelfelipense.blogspot.com)

a partir de 07/12/10 
-Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex) 
Leu? Gostou? Comente a matéria e compartilhe o link com os amigos! 

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Meus Poemas - Lua Inteira


No céu uma lua fugidia...
mal se disfarça escondida
nas nuvens escuras da noite.

Irrefletida, faz trapaça
e nega a sua luz necessária.

 A solidão se descortina.
 É puro açoite, um castigo
que nenhum artifício alivia.

Na luz precária do ambiente
você foi embora com a lua,
      num pacto mais que indecente.

Sua imagem nua tão discreta
já escapou-me das retinas.
Abriu-se então o precipício
 e esse seu corpo tão ausente
 é agora pura miragem
que acende este ardente desejo.

Muito cuidado ...Perigo!
 Irrompe lá dentro de  mim
um grito antes sufocado!
Soa forte como um alarme,
reclama o beijo perdido,
e tudo mais que lhe pertence.

Vence o apelo da carne.
 Você chega e se entrega.
De um estopim surge a chama.

Estala, crepita, explode,
Inunda-nos de paixão cega.
  A libido voraz se instala,
sacode tudo, do chão ao teto,
num estonteante  desatino
e nos consome por um instante,
bem ali, na sala de estar.

 Alivia-se o cio por completo
no rito do acasalar,
na umidade do contato,
no choque da eletricidade,
no curto-circuito divino.

O brilho da lua lá fora
cumplicia o nosso ato.
 Por fim descerra-se o véu!..
 Você percebe que é minha dona,
simplesmente, eu a sinto companheira.
Sela-se o destino de antes:
No céu ela sorri displicente,
com cara de inocente,
brincalhona -lua faceira-,
Lua Inteira dos amantes!
a partir de 02/12/10-Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex) 
(Escrito em Varginha-MG-, em 01-12-2010, 11:30h)  (Imagem original: tallesazigon.blogspot.com)

Formulário de Contato - Expresse sua opinião. Retornarei!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja as Postagens Populares do blog

Aguardo você por lá!...

Informação Importante

Este blog - O Blog de Poesias do Profex - anexa ou linka textos da internet preocupando-se em dar o devido crédito a eles e sua origem. As imagens, na sua maioria são do banco de dados do Google, conforme indico junto às postagens. Quem se sentir lesado por uma exibição indevida, por favor entre em contato para que eu possa atribuir os respectivos créditos; ou ainda, se for o caso, retirar das páginas a postagem ou imagem em questão.

Espero portanto que se um leitor tiver a pretensão de usar uma matéria (ou parte dela), um poema (ou um excerto dele), faça da mesma forma, dando o devido crédito junto à elas, sob pena de se fazer valer a Lei de Direitos Autorais.


E-mail: professorexpedito.radialista@hotmail.com
Some images used on the BLOG DO PROFEX are taken from the web via Google Images, if by chance you find any here who is registered and of his own, let me know that I will be happy to credit! Thank you!

.verificar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...